fbpx
Destaque

Quer descobrir se o tratamento com CBD é seguro? Tire todas as suas dúvidas

Tratamento com CBD. Ainda é comum que a maioria das pessoas tenham inúmeras dúvidas sobre o tratamento com Cannabis medicinal para inúmeras patologia, a mais comum delas: CBD é seguro? Popularização vs Falta de informação Apesar da crescente popularidade do tratamento com CBD para inúmeras patologias, ainda é comum que a maioria das pessoas tenham […]

Conteúdo escrito e revisado
Medicina In Comitê Científico, atualizado em 5 de dezembro de 2021
dúvidas sobre o cbd e cannabis medicinal

Tratamento com CBD. Ainda é comum que a maioria das pessoas tenham inúmeras dúvidas sobre o tratamento com Cannabis medicinal para inúmeras patologia, a mais comum delas: CBD é seguro?

Popularização vs Falta de informação

Apesar da crescente popularidade do tratamento com CBD para inúmeras patologias, ainda é comum que a maioria das pessoas tenham inúmeras dúvidas sobre seu uso, especialmente quando um paciente está no início de sua pesquisa sobre a Cannabis como uma alternativa para sua condição, muitas vezes já exausto após anos de tratamento com outros medicamentos ou terapias.

Uma das principais preocupações é a segurança dos tratamentos com CBD, já que muitas vezes o medicamento será usado em pessoas mais velhas e fragilizadas, ou mesmo em crianças.

Como sempre, a informação é nossa maior aliada. Neste artigo, tentaremos cobrir todas as principais dúvidas sobre a segurança do tratamento com CBD.

Cannabis medicinal dá barato?

A resposta mais simples e direta é não.

No entanto, para responder essa pergunta de forma mais profunda, é preciso identificar e compreender os componentes dos medicamentos à base de CBD, e o quanto eles podem ser diferentes um do outro.

Em geral, os medicamentos são produzidos à base de CBD, THC ou uma combinação de ambos.

O CBD tem propriedades anti inflamatórias, ansiolíticas e anticonvulsivantes, enquanto o THC tem um perfil analgésico e relaxante muscular. No entanto, cada um age no corpo de forma diferente, e seu uso isolado ou combinado será avaliado pelo médico de acordo com as características, os sintomas e a patologia de cada paciente.

O CBD não é capaz de produzir qualquer efeito desse tipo no organismo por não ter efeitos psicoativos. Já o THC pode chegar a promover certos efeitos euforizantes quando utilizado em altíssimas concentrações. No entanto, como qualquer outro medicamento psicoativo, os efeitos do THC dependem de sua dose. Caso o paciente siga as orientações médicas e use sempre as doses adequadas, o resultado terapêutico será sempre atingido muito antes da manifestação de efeitos colaterais indesejados.

É possível ter overdose letal no tratamento com CBD?

Não!

Embora muito comum, essa dúvida não tem qualquer fundamento concreto. Estudos apontam que toda substância tem sim um potencial letal no organismo humano — incluindo até elementos cotidianos e necessários ao corpo, como a água.

No entanto, enquanto medicamentos como a codeína, ou mesmo substâncias recreativas como o álcool, podem ser letais em quantidades de 10 a 20 vezes maiores do que suas doses consideradas terapêuticas (ou seja, quando causam alguma analgesia ao corpo), a Cannabis só seria letal caso fosse ingerida uma quantidade 1.000 vezes maior do que sua dose terapêutica.

Colocando isso em números concretos, para causar a morte de uma pessoa, seriam necessários 7kg de Cannabis administrados de forma intravenosa, ou ainda 29kg ingeridos in natura. Por isso mesmo, até hoje, nunca foi registrada nenhuma morte devido ao uso de Cannabis, muito menos em suas versões medicamentosas. Ainda que um paciente tome um frasco inteiro de CBD ou THC, ele apenas ficará extremamente sonolento e cairá no sono, apagando até o efeito passar.

O tratamento com CBD pode viciar?

A Cannabis medicinal não causa qualquer tipo de dependência ao corpo, pois usa apenas versões concentradas de seus princípios ativos, em doses muito controladas.

É importante deixar claro que o tratamento com CBD, quando usada de forma recreativa, pode de fato causar vício. Ainda assim, segundo estudos, a porcentagem de indivíduos que desenvolvem esse tipo de dependência é de apenas 9%, muito menor do que a de outras substâncias recreativas como o tabaco (32%) ou do álcool (15%).

No entanto, também é importante lembrar que esses números se referem apenas à forma inalada e recreativa do tratamento com CBD, que sequer é permitida no Brasil.

Quando usada de forma medicinal, mais comumente em óleos, o tratamento com CBD não tem nenhum potencial para desenvolver dependência em seus pacientes, diferente de outros medicamentos analgésicos, como os opióides, que têm alto potencial adictivo.

Possíveis efeitos adversos

No início do tratamento, alguns dos efeitos colaterais podem ser sentidos até que seja encontrada a dosagem ideal.

O efeito adverso no tratamento com CBD mais comum é a sonolência.

Outros mais incomuns incluem tontura, dor de cabeça, alteração do hábito intestinal, do apetite e da frequência cardíaca.

No entanto, além de serem muito mais brandos do que os efeitos colaterais causados por medicamentos tradicionais usados para o tratamento das mesmas patologias, grande parte desses efeitos pode ser facilmente eliminada com ajustes na dosagem, o que torna crucial o acompanhamento constante de um médico.

Veja esse gráfico abaixo sobre os efeitos adversos dos pacientes em tratamento com CBD na Medicina In e sendo acompanhados semana a semana com nosso time de saúde:

Tratamento com CBD na Medicina In
Fonte: ACOLHEMED – Programa de Acolhimento ao Paciente da Medicina In

Interações medicamentosas, CBD é seguro?

Muitas vezes, os pacientes que buscam tratamentos com Cannabis medicinal já estão usando um ou diversos outros medicamentos em paralelo, o que traz a preocupação de possíveis interações medicamentosas.

O acompanhamento de um profissional experiente será muito importante nesse caso, uma vez que certos medicamentos podem exigir uma dosagem menor ou maior de gotas por dia para chegar ao efeito adequado — isso acontece porque, em diversos casos, o equilíbrio dos neurotransmissores proporcionado pelos fitocanabinoides potencializa a eficiência de outros medicamentos.

Apenas em raríssimos casos, a Cannabis medicinal pode ser contra-indicada. Ainda assim, muitas vezes podem ser usadas variações do medicamento, como por exemplo, por mais que uma composição mista de CBD e THC possa não ser indicada para um paciente psiquiátrico, ele ainda poderá ter os efeitos analgésicos e anti-inflamatórios proporcionados por um medicamento com CBD isolado.

Links importantes

Resolução CFM aprova o uso compassivo do canabidiol para o tratamento de epilepsias da criança e do adolescente

Como iniciar um tratamento com CBD no Brasil?

Apesar da popularização do tratamento com CBD, ainda é necessário seguir alguns passos obrigatórios para que você possa iniciar o tratamento de forma legal.

Para iniciar um tratamento com CBD no Brasil, você precisará seguir os passos abaixo:

1. Realize uma consulta médica com um médico experiente

Menos de 1% dos médicos prescrevem Cannabis medicinal, com isso a demanda por encontrar um médico pode ser mais dificil do que você imagina. Pensando nisso, a Medicina In desenvolveu uma tecnologia que encontra o médico mais adequado para o seu caso.

Você pode agendar uma consulta hoje e conversar com um médico de forma fácil e rápida.

Após essa consulta, caso seu tratamento possa ser feito com CBD, você receberá a sua prescrição médica por e-mail. Com isso, você já completou o primeiro passo para iniciar o seu tratamento com CBD.

A receita médica é válida por 6 meses.

2. Autorização da Anvisa

Com a prescrição médica em mãos, você vai precisar de um documento de Autorização da Anvisa.

É um documento emitido pela Anvisa para que pessoas físicas possam importar, para o tratamento de sua saúde, produtos derivados de Cannabis. Os critérios estão na RDC nº 335/2020.

O documento de autorização é válido por 2 anos e durante esse período, os pacientes podem importar o produto prescrito e autorizado pela Anvisa.

Quem pode utilizar esse serviço? Pacientes (ou seus representantes legais) que possuam necessidade médica comprovada e imprescindível do produto.

Para conseguir a autorização da Anvisa, você precisará submeter alguns documentos além de ter uma precrição do produto emitida por um profissional legalmente habilitado contendo: nome do paciente, nome comercial do produto (não são nomes comerciais: Canabidiol, CBD, Hemp Oil, Extrato de Cannabis, óleo de CBD, Blue, Gold etc.); posologia (dose diária), data, assinatura, número do registro e conselho de classe do profissional prescritor.

3. Encontrar a melhor oferta do medicamento receitado

Depois que você tiver em maõs a prescrição médica, a autorização da Anvisa, agora é hora de encontrar a melhor oferta com melhor custo benefício do medicamento receitado.

Como sabemos que essa não é uma tarefa fácil, na Medicina In você encontra uma tecnologia capaz de buscar a melhor oferta do medicamento receitado com base na dosagem prescrita pelo médico e do quanto mg de CBD você precisa para obter alívio.

Depois que você encontrar a melhor oferta do medicamento, você poderá adquiri-lo com pagamento em reais e em até 12x sem juros.

4. Acompanhamento do seu tratamento para ajustar a dosagem ideal

Na Medicina In você conta com um acompanhamento personalizado e humanizado para que você obtenha alívio o mais rápido possível com o seu tratamento com CBD semana a semana.

A importância de um acompanhamento especializado 

Para garantir a eficácia do tratamento com CBD, é importante contar com um acompanhamento especializado de médicos experientes.

Com o Medicina In você encontra médicos com experiência  em cannabis e realizam um  acompanhamento personalizado para proporcionar qualidade de vida e bem-estar.

Faça a sua consulta on-line e tire todas as suas dúvidas sobre o tratamento, benefícios e como cuidar da sua saúde.

IMPORTANTE: Este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida. Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.