fbpx
Diabetes

Diabetes: Canabidiol (CBD) surge como aliado no combate a essa doença silenciosa

Causada pela deficiência de insulina, a diabetes é um distúrbio de origem metabólica que provoca a redução da produção de carboidratos e aumento de lipídios e proteínas, sendo uma das principais causas de cegueira, insuficiência renal, ataques cardíacos, derrames e amputação de membros inferiores. A patologia acontece quando o pâncreas não consegue produzir insulina em […]

Conteúdo escrito e revisado
Medicina In Comitê Científico, atualizado em 5 de dezembro de 2021
cannabis medicinal para tratamento de diabetes

Causada pela deficiência de insulina, a diabetes é um distúrbio de origem metabólica que provoca a redução da produção de carboidratos e aumento de lipídios e proteínas, sendo uma das principais causas de cegueira, insuficiência renal, ataques cardíacos, derrames e amputação de membros inferiores.

A patologia acontece quando o pâncreas não consegue produzir insulina em quantidade suficiente, o que derruba a capacidade do organismo de metabolizar açúcares, fazendo disparar a quantidade de glicose no sangue.

Responsável pela redução da glicemia, a insulina permite que o açúcar presente no sangue possa ser absorvido e utilizado como fonte de energia pelas células.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), por volta de 420 milhões de pessoas sofrem de diabetes em todo o mundo. De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), 13 milhões de brasileiros convivem com esta doença crônica. 

Tipos de diabetes 

Pré-diabetes: Ocorre quando o paciente apresenta potencial para desenvolver a doença, apresentando-se no limiar entre o considerado “saudável” e o que seria a diabetes Tipo 1.

Tipo 1: Acontece quando o pâncreas perde a capacidade de produzir insulina em decorrência de uma falha no sistema imunológico, tendo como consequência o ataque dos anticorpos às células que produzem esse hormônio.

Tipo 2: Detectado em 90% dos pacientes da doença, esse tipo de diabetes ocorre como resultado de dois fatores: diminuição da secreção da insulina e uma falha na sua ação, conhecido como resistência à insulina.

Diabetes gestacional: Causada pelo aumento da resistência à ação da insulina durante a gravidez, gerando o aumento dos níveis de glicose no sangue, podendo ou não haver evolução do quadro após o parto.

Sintomas do Diabetes Tipo 1

  • Vontade frequente de urinar
  • Fome excessiva
  • Sede excessiva
  • Emagrecimento
  • Fraqueza
  • Fadiga
  • Nervosismo
  • Oscilação de humor
  • Náuseas
  • Vômitos

Sintomas do Diabetes Tipo 2

  • Fome excessiva
  • Sede excessiva
  • Infecções frequentes (bexiga, rins e pele)
  • Demora na cicatrização de feridas
  • Alteração visual (visão embaçada)
  • Formigamento nos pés
  • Furúnculos
  • Impotência sexual

Sintomas do Diabetes Gestacional 

Fome excessiva

Sede excessiva

Vontade frequente de urinar

Visão turva

Tratamentos tradicionais

Sem cura, o tratamento de diabetes varia conforme a categoria da doença. 

No caso do Tipo 1, há a necessidade de controle do nível de glicose no sangue e aplicação de insulina (no abdômen, coxa, braço, cintura ou glúteo) para suprir a incapacidade do pâncreas de produzi-la.

Caso haja interrupção do uso da medicação, o diabético fica sob risco de morte em razão do distúrbio metabólico — cetoacidose diabética. 

Alguns médicos prescrevem medicamentos complementares ao tratamento com insulina, tais como Glifage, Glifage XR e Metformina.

Sem haver dependência da aplicação de insulina, o diabético do Tipo 2 pode ser tratado por meio do uso de medicação por via oral. 

  • Inibidores da alfaglicosidase: Medicamentos que impedem a digestão e absorção de carboidratos no intestino.
  • Sulfonilureias: Embora possam causar hipoglicemia (teor de glicose no sangue inferior ao normal), estimulam a produção de insulina no pâncreas pelas células beta.
  • Glinidas: Agem estimulando a produção de insulina pelo pâncreas.
  • Além disso, há uma série de mudanças que devem ser realizadas nos hábitos cotidianos do diabético, principalmente quanto à alimentação (redução de calorias, gorduras saturadas e carboidratos), tabagismo, consumo de álcool e sedentarismo.

Tratamento com Cannabis medicinal 

Ao longo dos últimos 15 anos, médicos e cientistas vêm estudando o uso da Cannabis medicinal como uma forma de tratamento para os pacientes que sofrem de diabetes.

Além de controlar os níveis de açúcar no sangue, o canabidiol (CBD) pode aliviar fatores que contribuem para o agravamento do quadro. Essa relação pode estar associada ao sistema endocannabinoide e seus receptores no cérebro. 

O ano de 2006 foi muito promissor nesse sentido ao ser marcado pela publicação de uma série de estudos sobre o tema. Os resultados satisfatórios permitiram aumentar o leque de opções de tratamento para os pacientes, apontando o Canabidiol (CBD) como responsável por melhoras como:

  • Redução da incidência e evolução da doença
  • Redução de dores e hipersensibilidade à temperatura
  • Redução de danos cardíacos
  • Redução de inflamações na retina
  • Redução de inflamações pancreáticas

Em artigo publicado em 2013 na revista científica Clinical Research Study, após pesquisa com 4.657 indivíduos adultos (homens e mulheres), as pesquisadoras Elisabeth Penner e Hannah Buettner e o pesquisador Murray Mittelman descobriram que o uso da Cannabis está associado a níveis mais baixos de insulina em jejum, diminuição de resistência à insulina e menor circunferência abdominal, o que corrobora a tese de que o Canabidiol (CBD) pode contribuir no gerenciamento das taxas de açúcar no sangue, evitando assim os sintomas de diabetes.

A importância de um acompanhamento especializado 

Para garantir a eficácia do tratamento para diabetes através da cannabis medicinal, é importante contar com um acompanhamento especializado de médicos experientes.

Com o Medicina In você encontra médicos com experiência em cannabis e realizam um  acompanhamento personalizado para proporcionar qualidade de vida e bem-estar. Faça a sua consulta on-line e tire todas as suas dúvidas sobre o tratamento, benefícios e como cuidar da sua saúde.

IMPORTANTE: Este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida. Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.